Sabe aqueles lugares que respiram cultura? Aqueles lugares onde a arte está tão presente em suas veias que tudo parece andar mais devagar? Ou mesmo que parecem ter parado no tempo? Você olha ao seu redor e é como se tivesse 50 anos atrás. Construções históricas, elegantes casarões dos anos 40 e até bondinhos ainda circulam pelos trilhos desse cenário encantador. Assim é o bairro de Santa Teresa, um dos lugares mais interessantes do Rio de Janeiro.

Construído no alto de uma colina entre a Zona Sul e o Centro da cidade (o que favorece o fantástico visual), Santa Teresa é um cenário único, tipicamente carioca e bastante pitoresco. Sim, pitoresco! Afinal, é um lugar repleto de centros culturais, ateliês de arte, lojas de artesanatos, e é claro, bares e restaurantes onde a boemia corre solta.

Uma das Vistas de Santa Teresa
Uma das Vistas de Santa Teresa
Santa Teresa
Santa Teresa

Um pouco de história:

Toda essa agitação e boemia remete desde os primórdios da criação do bairro. De acordo com a história, Santa Teresa surgiu a partir da construção do convento de mesmo nome no Séc XVIII. E logo de cara foi tomada pela alta classe da época. Ou seja, daí surgiram vários casarões e mansões inspirados na arquitetura francesa, e vários deles abrigaram muitas festas e encontros de intelectuais e artistas da Bela Époque carioca.

Reduto de formadores de opinião, movimentos populares e mobilizações coletivas, Santa Teresa sempre foi muito importante na história do Rio de Janeiro. Não é à toa que o bairro possui uma das associações de moradores mais antiga da cidade e é o único que após muita pressão dos moradores, conseguiu manter o sistema de bondes funcionando, se tornando um símbolo do local até os dias atuais.

– Veja Mais Fotos de Santa Teresa.

Com o tempo, a população de Santa Teresa foi aumentando, o que levou a uma leve favelização e a perda do status de bairro nobre. Porém toda a tradição histórica do local, a facilidade logística e a localização privilegiada sempre manteve o bairro muito disputado por intelectuais, acadêmicos e artistas.

Como chegar:

Bondes Santa Teresa:

Além de ser a principal maneira de se chegar a Santa Teresa, o bondinho também é uma das principais atrações do bairro. Infelizmente, depois de um acidente em 2011, o bondinho está “debilitado”. Após mais de 4 anos fechado para obras, mês passado, o sistema de bondes voltou a operar somente um pequeno trecho, até o Largo do Curvelo, nem 20% do percurso original. Mas pelo menos já dá para sentir um pouquinho do gostinho de andar no transporte mais charmoso do Rio de Janeiro, principalmente quando o bondinho passa por cima dos Arcos da Lapa.

O trajeto original conta com 3 ramais saindo do centro, mais precisamente da Estação Carioca que fica na Rua Lélio Gama ao lado do prédio da Petrobrás. As linhas são:

  • Carioca/Paula Matos – Ideal para quem vai ao Largo das Neves.
  • Carioca/Dois Irmãos – Principal trajeto para quem quer e conhecer Santa Teresa.
  • Carioca/Silvestre – Último ramal a ser reativado, ele liga o bonde de Santa Teresa ao bondinho do Corcovado.

Para se chegar à Estação Carioca de ônibus, basta pegar qualquer linha que passe pelo centro e descer ou na Lapa ou na altura do Largo da Carioca. Outra opção é pegar o metrô até a estação Carioca. Daí é só andar alguns metros até a estação dos bondes, que fica bem perto da Catedral Metropolitana e do prédio da Petrobrás. Uma ótima dica para quem está de carro, mas deseja pegar o bonde de Santa Teresa é deixar o carro no estacionamento da Catedral.

Agora atenção! Os bondes de Santa Teresa ainda estão em fase de teste. Logo eles estão operando em horário reduzido, somente de segunda a sábado das 10h às 16h, e por enquanto são gratuitos. Para saber mais informações ligue para a central dos bondes: (21) 2332-6614.

Bonde de Santa Teresa - Foto divulgação
Bonde de Santa Teresa – Foto divulgação

Ônibus:

As únicas linhas de ônibus que sobem Santa Teresa saem do Castelo, no centro do Rio de Janeiro, e passam pela Rua da Carioca e pela Lapa. Tanto a linha 006 e a 014 passam pelos principais pontos do bairro.

Táxi:

Sério, é um dos jeitos mais difíceis de chegar em Santa Teresa. Não estou brincando! Sempre que tentei pegar um taxi para lá foi uma luta muito longa. A maioria dos taxistas se negam a subir o bairro, alegando que as pedras e as ladeiras estragam o carro, ou que o trânsito é muito ruim. Portanto não se estresse se quiser ir a Santa Teresa de táxi. Tenha paciência, uma hora aparece uma boa alma samaritana.

Viação “Canela”:

Para quem não está afim de esperar a fila do bondinho, que muitas vezes está saindo gente pelo ladrão (principalmente finais de semana), outro jeito muito interessante de se chegar a Santa Teresa é através da viação “Canela”. Por ser um bairro histórico, seus emaranhados de ladeiras guardam muitas preciosidades que valem a pena explora-las com calma, no passo leve de uma caminhada. Com saídas e entradas por várias partes do Rio de Janeiro, existem muitas maneiras de se chegar a pé a Santa Teresa. Porém, o principal meio, e o que eu aconselho para quem ainda não conhece o bairro, é subir pela Escadaria Selarón na Lapa. O que nos leva ao nosso próximo item.

O que fazer:

Escadaria Selarón:

Situada a apenas 5 minutos a pé dos Arcos da Lapa, a Escadaria Selarón se tornou um dos principais pontos turísticos do Rio de Janeiro. E tudo começou com um trabalho de renovação da escadaria que unia o Convento de Santa Teresa a Lapa e passava em frente a casa do artista chileno Jorge Selarón.

– Veja Mais Fotos de Santa Teresa.

Radicado no Brasil, o artista começou a revitalização da escadaria em 1990, e o que era um hobbie, virou uma tremenda obsessão que consumia todo seu tempo e dinheiro. Selarón passou a vender suas pinturas para financiar a sua maior obra artística. No início, muitos vizinhos riam das combinações inusitadas que o artista fazia, mas mal sabiam eles que a escadaria se tornaria um dos principais cartões postais do Rio de Janeiro.

Escadaria Selarón
Escadaria Selarón

Convento de Santa Teresa:

Se hoje existe o bairro de Santa Teresa, é graças a criação do convento no século XVIII pelas freiras das Carmelitas descalças. Localizado numa posição privilegiada, o Convento e a Igreja de Santa Teresa, antes da era dos arranhas céus, era um dos pontos de referência da paisagem do Rio de Janeiro. A visitação se restringe somente a Igreja e durante as missas que ocorrem todas as manhãs. Atualmente, a história do convento, entrou para o folclore da cidade. Não é a toa que um dos blocos de carnaval mais tradicionais e concorridos do Rio de Janeiro é o Carmelitas, onde os foliões descem a ladeira de Santa Teresa, muitos vestidos de freiras, ao som de samba, homenageando as Carmelitas descalças.

Parque das Ruínas:

Um dos principais points da Bela Époque carioca, o Parque das Ruínas é o que sobrou do Palacete Murtinho Nobre que serviu de residência da grande mecenas da época, Laurinda Santos Lobo, também conhecida como “marechal da elegância”. Atualmente o parque é um centro cultural que além da vista magnífica, também conta com uma programação bem bacana e diversificada. Para saber mais do Parque das Ruínas clique aqui.

Parque das Ruínas
Parque das Ruínas

Museu Chácara do Céu:

Bem ao lado do Parque das Ruínas, fica o Museu Chácara do Céu, uma antiga casa do empresário e colecionador de arte Raimundo Ottoni de Castro Maya. Seu grande acervo conta com pinturas, esculturas, fotografias, uma biblioteca de dar inveja em qualquer historiador, fora toda a arte do design da casa em geral. Ou seja, é um museu que vale a visita. A entrada custa apenas R$ 2,00. Para saber mais, entre no site do museu.

Museu do Bonde:

De início o museu foi construído na Estação da Carioca no centro do Rio de Janeiro. Depois de 20 anos, foi modernizado e transferido para Santa Teresa para a Rua Carlos Brant, 14. Atualmente ele conta com mais de 300 peças, um acervo de imagens e amostras dos bondes que passaram pela história do Rio de Janeiro. O telefone para maiores informações é (021) 2220-1003.

Largo do Curvelo:

Uma das primeiras paradas dos bondes de Santa Teresa, o Largo do Curvelo conta com uma estação bem antiga que possui um charme a parte. Dá para fazer muitas fotos boas. Atualmente os bondinhos só estão operando até esse ponto, então daqui em diante é necessário seguir a pé ou de ônibus.

Largo do CUrvelo
Largo do Curvelo

Largo dos Guimarães:

Ponto de partida para quem deseja curtir toda a boemia de Santa Teresa, o Largo dos Guimarães é onde se concentra alguns dos badalados bares e restaurantes de Santa Teresa. O agito corre solto a noite toda e os bares lotam de muita gente bonita e música ao vivo.

– Veja Mais Fotos de Santa Teresa.

Largo das Neves:

Outro point que concentra ótimos bares e restaurantes, o Largo das Neves é o ponto final de um dos ramais do bonde. O lugar também reúne um belo casario do final do século XIX e a Igreja da Nossa Senhora das Neves. E ainda é o local de várias festas e eventos, como a festa junina de Santa Teresa.

Largo das Neves
Largo das Neves

Floresta da Tijuca, Corcovado e Mirante Dona Marta:

Outras atrações que muitas pessoas nem sabem que fazem parte de Santa Teresa é a região da Floresta da Tijuca que engloba o Corcovado e o Mirante Dona Marta. Um passeio de tirar o fôlego, você tem que incluir essa rota em sua visita a Santa Teresa. Se você preferir, a agência Why Not Brasil oferece o tour Rio das Alturas, que passa pelos melhores mirantes do Rio de Janeiro, incluindo uma ida a Santa Teresa, e também tem a Experiência ErreJota, onde além de você conhecer os principais cartões postais da cidade, também vai dar uma volta por Santa Teresa.

Cristo Visto do Mirante Dona Marta
Cristo Visto do Mirante Dona Marta

Onde comer:

Deu para sentir que Santa Teresa também é um rico tour gastronômico, não deu? São várias opções de bares e restaurantes espalhados entres os largos e as ladeiras do bairro. Uma verdadeira orgia gastronômica. Entre os bares mais famosos ao redor do Largo dos Guimarães estão o Bar do Mineiro, que vive lotado e tem uma cerveja bem gelada e um caldinho de feijão muito bom, o bar do Arnaldo com comida nordestina, o Sobrenatural com frutos do mar e o de comida alemã, a Adega do Pimenta. Todos são super recomendados.

– Veja Mais Fotos de Santa Teresa.

Já no Largo das Neves as comidas ficam por conta do agradável Bistrô Les Amis, os sanduíches do Café das Neves, e os pastéis de camarão do Santa Saideira. Outro lugar que guarda uma preciosidade de Santa Teresa é a rua Auréa, 26. O Armazém São Thiago existe desde 1919 e além de conservar o prédio também mantém objetos e decorações da época. E sério mesmo, é um dos melhores petiscos de Santa Teresa, super recomendamos o bolinho de aipim e o bombom de feijoada. Uma delícia!

E é claro que não poderíamos deixar de citar o famoso Aprazível. Um dos restaurantes mais procurados do Rio de Janeiro, é um lugar que oferece uma vista magnífica e um cardápio com preços bem salgado e pratos típicos da culinária brasileira.

Bar do Mineiro
Bar do Mineiro
Armazém São Thiago
Armazém São Thiago

Onde ficar:

Se você preferir, também é possível se hospedar muito bem em Santa Teresa. O bairro conta com uma ótima oferta de hospedagem. São opções desde hotéis de luxo a albergues. Dê uma olhada nessa lista do Booking.

– Veja Mais Fotos de Santa Teresa.

Bem, por hoje é isso. Espero que você tenha gostado do post. Acredito que tenha ficado um pouco grande, mas bastante informativo. Enfim, peço que caso você conheça alguém que também possa gostar do artigo, não deixe de compartilhá-lo. E para saber mais dicas de destinos e se inspirar a viajar mais, nos siga no Facebook, Twitter e Instagram.

Beijos e abraços.

CsV

Author

Designer, blogueiro e empreendedor por natureza, sou amante de fotografia, viagens e da boa culinária. Após meu primeiro intercâmbio, criei uma paixão por viagens. De lá pra cá foram 2 mochilões, 15 países conhecidos, fora as viagens no Brasil. Fascinado por experimentar novos sabores, adoro combinar e inventar novas receitas.

6 Comments

    • Olá Sonia, tudo bem? Santa Teresa realmente encanta muito, também é um dos meus bairros preferidos do Rio de Janeiro. É muito bom saber que nosso post te despertou uma nostalgia. 😉

    • Olá Leidiane. Então o Parque das Ruínas fica a somente 400 metro do Largo do Curvelo, uns 5 minutos andando. É o ponto mais próximo do Parque. Espero ter ajudado, qualquer coisa é só perguntar. 😉

  1. nossa, sempre fico em dúvida se devo ficar em Santa Teresa, e sempre acabo ficando para os lados de Ipanema…. Rs… mas dessa vez vou pelo menos visitar esse Parque da Ruínas! Gostei!!

    • Oi Fernanda, vai sim. O Parque das Ruínas e Santa Teresa são uma graça. Vale muito a pena a visita. Depois nos conte como foi.

Deixe seu comentário: